A frustração de uma usina de reciclagem de entulho

Por Construplay, em 28/03/2019

O empreendedor do setor de resíduos da construção anseia por mudanças sem querer mudar. É de praxe, o empresário do setor de RCD não tem noção do que é reciclagem de entulho. Não está imbuído com a causa e sequer conhece as reais dificuldades do setor.

Você já deve estar calejado de ver, ouvir e ler os reais obstáculos do setor de resíduos da construção. Certo. Você deve estar pensando: o empresário do setor atua para mudar a cultura da construção e da população, trabalhando para conscientizar o poder público quanto aos prejuízos do descarte irregular de RCD. Infelizmente não.

O empreendedor está acostumado a uma situação favorável, segura e muito cômoda. Isso significa o mínimo esforço para alterar o status quo do mercado.

É notório e sabido que a reciclagem de entulho no Brasil tomou corpo devido ao incessante trabalho das usinas de reciclagem, em nível Local, e em nível Nacional com o papel das associações de classe, especialmente com o projeto da Abrecon, única a discutir o tema e defender uma ação mais incisiva do poder público para viabilizar financeiramente unidades de reciclagem e triagem de entulho.

Não existe cultura que não possa mudar, nem mudança que seja para sempre.

O mercado da construção e o poder público não serem amistosos com a ideia da sustentabilidade não isenta a usina de RCD de empenhar esforços para o combate ao descarte irregular de entulho e ao uso do agregado reciclado, se adaptando as necessidades do negócio e rompendo com a cultura do uso de agregado natural e do desperdício.

Adianta dar inúmeras desculpas para não vender o agregado reciclado ou receber entulho se o problema está no próprio empreendedor? Estou quase certo que o empresário que reclama da dificuldade em trabalhar na cidade não tenha cumprido minimamente o seu papel no processo.

Uma situação dramática é a usina de reciclagem de entulho focar apenas em compras públicas e perder oportunidade de venda para particulares. É ruim conversar com gente desse tipo, por que eles acham que a razão é toda deles. Incrível e bizarro.

Nesses últimos dez anos o número de usinas de reciclagem de RCD mais que dobrou, porém, existe ainda uma quantidade muito grande de empreendimentos que sobrevivem às custas de cinco ou seis caçambas de entrada por dia. Nada mudou, apenas os anos passaram, porque a “chiadeira”/reclamações são as mesmas.

 

Levi Torres

Coordenador da ABRECON

Deixe seu comentário

Seu email é never shared. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*